Manutenção, problemas e a paixão em resolvê-los.

Existe um certo abismo entre o movimento “zéfrisismo” e os faça você mesmo, e eu sinceramente, eu antes mesmo de conhecer o Thiago Moreno, em inúmeras discussões mais que filosóficas, sobre o momento atual, cultura e financeiro, pra onde vai aquela coisa da paixão mediadora.






Era pra ser um rolê de fim de semana normal, mas não, calma crianças, eu num vou contar de quando na volta o cabo do acelerador arrebentou, e eu tive que desmontar o mecanismo da roldana, passar o cabo de aço direto do carburador, por dentro do acabamento lateral e alavancado no suporte do amortecedor, como uma esquema de quebrar a força, tudo no improviso, e nem como rodei os 42 km de volta pra minha cidade acelerando com a mão esquerda, passando marcha no tempo e com a mão direita no guidão e em algumas retas pensava “olha mãe sem as mãos”… imaginando a cara dela de reprovação…


Pela fração de 6 reais custo beneficio de 3 anos, até que durou muito...




O capitalismo é lindo, mas eu não vejo gente comprando moto nova com tanta frequência, e parece que a única escolha do brasileiro mediano, sempre vai ser gastar muito dinheiro, às vezes até o que não tem, pra manter a máquina rodando, se você compra uma moto nova, você vai gastar uma nota com impostos, seguro, emplacamento e mais algumas coisas, se você pega um santo graal usado com quilometragem baixa, prepara a mão e o bolso, por que ou você vai ter que fazer, e meter a mão no óleo, e gastar dinheiro, e as vezes fazer os dois, ainda com a supervisão de um mecânico tão maluco que tenha disponibilidade de trocar ideia sobre seja qual for seu problema, fora isso gastos como combustível, pneus, kit relação, correia ou cardã, trocas de óleo e fluidos, todas as revisões preventivas sejam em uma moto nova, ou no projeto da moto usada, é a saga de gastar dinheiro, com a felicidade que aquilo te proporciona e o quão bem você se sente fazendo e o que está na prática . Mesmo as vezes sendo taxado de maluco.



Dessa vez então foi hora de gastar com o charme e ao mesmo tempo o calcanhar de Aquiles da minha Savage 2001, então sim, é isso mesmo a correia, que em relação as outras, parece mais uma esteira industrial de tão larga. Então la vai eu, procurar no primeiro lugar que não deveria, uma concessionaria Suzuki de Belo Horizonte, onde hoje, a cotação é de R$ 4420,05, nessa hora, eu pensei vem a caixa com 10 ? Mas não, aqui abre aquela discussão clássica entre fã boys de marca, pra defender que se fosse tal moto de tal marca, que vende águia e liberdade, não seria esse absurdo, meu amigo, toda moto vai ter algum componente que vai custar um rim, se é de média cilindrada pra cima, pode preparar a carteira ou fazer o anúncio da OLX.




Motivações que só meu coração sabe, e eu em minha razão e juízo que eu desconheça sobre essa paixão, e que meu psicanalista, me ouve todas às quartas-feiras de 15 em 15 dias, também ainda não descobrimos, mas eu tenho uma certa paixão as dificuldades da vida, é um jeito de viver intenso, mas as vezes sofrido, porém por forças obscuras que qualquer mortal na terra duvide, eu tive um relampejo em cometer outro erro, e fui no mercado livre, onde encontrei a correia pela pechincha de R$ 2800 de dez vezes no cartão. E claro, lembrei da época saudosa que poderia ter pago 1200 reais e não comprei, não sabendo que entraríamos em um looping de desgraças, como pandemia, inflação, alta do dólar, um desgoverno que parece que esta “tentando” matar todos nós... ironia Mode ON.



Não tinha como ser mais nova...

Sem saber como explicar, paixão é isso, a minha paixão é essa moto e fazer ela funcionar da melhor forma possível, eu nunca descartei certas ideias ou melhorias, tem coisas que podem se alinhar muito bem, mas tem coisas que ficam fora de cogitação, então olhei pra correia, já com um pequeno trinco em sua lateral, pensei no quanto tempo eu poderia ficar sem moto, até conseguir uma correia nova, ou usada, ou sei la, o que eu tinha certeza, é que não ia passar ela pra corrente não, a parte mais pragmática do meu eu, não deixa, eu acho arriscado tentar adaptar e dar muito ruim, como uma vez que vi uma Teneré com o eixo do pinhão com a rosca espanada, imagina eu procurando um eixo do pinhão/polia da Savage 2001, na internet ou ainda, fora ainda a trabalheira pra fazer isso tudo acontecer e o tempo com a moto parada, essas coisas de alguma forma me deixam angustiado.




E também, eu sei que tem aquele tipo diferente de ser humano, que simplesmente passaria a moto pra frente, com ou sem correia, tem gente que pula de moto em moto, e de alguma forma eu entendo que é a nossa parte da falta, a incógnita que nos falta enquanto humanos, tentando buscas mirabolantes de esconder nossos desejos faltantes, sejam elas motos, ou qualquer tipo de relação objetal, que possamos ter com quaisquer coisas.




E também é sabido, que não há nada errado se você tem condição de fazer o que tem vontade de fazer e pagar por aquilo, em passar fome, ou sem ter que foder com o dia de alguém, vá em frente, mas que é totalmente diferente das pessoas que fazem o mesmo, sem digamos assim uma razão, passam apertadas financeiramente falando, se sacrificam o máximo de tempo possível, por um objeto que não lhes vai dar aquele retorno esperado da felicidade esperada, por que nas nossas idealizações, tudo é muito maravilhoso, mas quando tocamos a realidade, aquilo tem um gosto de mesmice e com pitadas de e agora? Mas que nas mãos do capitalismo manipulam muito bem com suas propagandas de marketing e a relação de felicidade eterna a níveis inalcançáveis, e claro quem se possa pagar por ela...

Então é isso galerinha, isso é tudo pessoal.

Quem quiser acompanhar meus perrengues e andanças.

Só seguir no Instagram : @saulomazagao